UMA CARTA QUE NUNCA IREI ENTREGAR A VOCÊ       

3405

Às vezes fico pensando em como é estranho o destino. Parecemos elétrons em suas órbitas loucas, que giram ao redor de um núcleo e estão hora em um lugar, hora em lugar algum; e muitos parecem perdidos ou trocam de núcleos sem razão aparente. Alguns passam por seus iguais ignorando totalmente suas existências, mas às vezes há um encontro, uma colisão, e isso é o que gera a energia necessária para mudar a realidade; quando há encontros assim, ocorre de fato uma mudança de dimensão. E foi assim que te conheci.

No início não pude perceber a grandeza daquele encontro, nem mesmo via como um “encontro”, pois foi tão casual, tão cotidiano que parecia somente a vida seguindo em sua inércia; mas um contato corriqueiro acabou me colocando em sua órbita, e nem percebi que já não havia como sair dali.

Enquanto te orbitava, aprendi a te amar; mas sem notar, já que meus sentidos estavam encantados por cada pedaço seu que eles puderam perceber; e enquanto minha mente te admirava, distraída, meu coração se tornava seu.

O primeiro sentimento do qual tive consciência, foi a amizade. Dela vieram a admiração e o respeito, e logo o desejo se aninhou em mim. Mas seus encantos me confundiam, e nem percebi que já estava em suas mãos, que era você quem dizia o que era certo ou errado, que eu já seguia suas leis e costumes. Não percebi que eu me afastava quando você não precisava de mim e que estava sempre ali, à disposição para atender a cada pedido seu; e que tudo isso aconteceu enquanto eu acreditava que era eu que escolhia, mas já não havia escolha; e te adorei como a um deus e para cada defeito seu eu sabia encontrar explicação.

A Natureza te fez assim. A gravidade é forte ao seu redor, e acho difícil um elétron qualquer se desviar da sua órbita ileso. Todos ficam a girar e admirar as maravilhas da sua superfície. E comigo não foi diferente.

Mas um dia eu quis mais. Não me contentei em ver de longe e me joguei em sua atmosfera. Quase me sufoquei, mas eu sentia que o desgaste valeria a pena, pois sonhava em admirar as maravilhas que haveria de encontrar em seu interior. E a cada dia eu ia mais fundo no seu mundo, sem medo do que poderia encontrar, pois para mim era certo que o que eu encontraria seria um grande tesouro, que somente os fortes mereceriam conhecer.

Mas depois de enfrentar tantos perigos, de enfrentar meus medos e a dura realidade; tive que admitir que não sou tão forte o quanto imaginava e o tesouro vai continuar guardado bem longe de mim. Jamais o verei e terei que conviver com os traumas dos caminhos sombrios que atravessei dentro de você.

Quando você percebeu que eu não chegaria ao meu objetivo, me tratou como a um vírus do qual teria que se livrar; mas como um vírus, eu já não sobreviveria longe de você e eu não quis sair. Te fiz mal à medida em que fazia mal a mim mesma. Até que um dia você conseguiu me arrancar e me jogar para longe, tão longe que nem te orbitar mais era possível. Isso lhe permitiu respirar de novo, lhe permitiu se curar e eu também sobrevivi. Mas por que eu não consegui ir embora quando tudo fazia mal?

Não fui embora porque não suportava a verdade. Não fui embora porque dentro de você descobri que sou muito pequena e dependente. Perdi meu amor próprio – se é que eu o tinha. Tive vergonha de olhar para cima e ver que eu não era melhor que todos aqueles que se contentavam em ficar em sua órbita, admirando somente a superfície. Tive raiva de mim por não ter conseguido cumprir toda a jornada depois de todos os desafios que ficaram para trás. Foi como ser um náufrago que passa a noite nadando e ao amanhecer morre na praia. O gosto da derrota e do fracasso era para mim como um veneno, e eu preferia morrer de uma vez a conviver com esse veneno me consumindo aos poucos. Eu fiquei para que seus anticorpos pudessem me destruir; eu sentia que merecia o fim.

Mas algo em você me salvou. Eu sabia que se falhasse morreria, mas você mudou as regras, não quis me consumir. Fui em sua direção como um cometa que se lança ao Sol aceitando sua morte ao se misturar ao astro rei; mas ao me aproximar, seus ventos me afastaram e me permitiram continuar  a existir.

Eu morreria em você, e morreria feliz, pois era o que eu merecia por ter fracassado; mas você me permitiu viver, talvez por amor, ou talvez para que eu pudesse compreender que não é o amor pelo outro que nos leva a querer se anular dentro de alguém; mas sim a incapacidade de amar a nós mesmos, de nos darmos valor.

De tudo que vivemos, aprendi que não importa o que aconteça, não importa quantos “sóis” apareçam em nossa jornada; jamais devemos deixar nosso caminho de lado para orbitar outra pessoa, pois cada um de nós é um Universo inteiro, e por mais encantadores que pareçam outros mundos, eles não são mais que uma parte ínfima daquilo que nós somos. Hoje sei que “morrer no outro” é trair a própria existência, é negar a si mesmo a capacidade de Ser.

Texto retirado do e-book Momentos. Disponível no Widbook e Wattpad.

capa momentos

Anúncios

4 respostas em “UMA CARTA QUE NUNCA IREI ENTREGAR A VOCÊ       

  1. Texto magnífico !! Lindo de morrer mesmo! Pessoalmente estou sofrendo os impactos de tentar pousar num sol também … minha aterrizagem tbm não foi esperada … mas como no seu texto e na peça O Fantasma da Ópera, tbm não fui repudiado quando a máscara caiu … Acho que são estrelas assim que fazem a gente crescer um pouco … Mas auto-estima e amor próprio ainda não são vendidos na drogaria da esquina … Estou ainda na luta de encontrar significância própria … espero um dia chegar lá tbm … Seu texto me tocou muito, me soou assustadoramente familiar … Muito obrigado.

    Curtido por 2 pessoas

    • O bom da internet eh isso, a gente pode compartilhar experiências. Mtas vezes jah me senti confortada em ler histórias de pessoas q eu nunca conheci; mas que viviam coisas que eu estava vivendo, e isso sempre me ajudou mto. No caso do texto, como vc disse mto bem, “acho que são estrelas assim que fazem a gente crescer um pouco”, e eh isso msm. Acredito que o encontro c “o outro” eh sempre uma oportunidade de fazer uma autoavaliação e mudar coisas q precisamos mudar, mas insistimos em ignorar. Te desejo mta Força e mta Sabedoria e que vc encontre logo o q precisa p se fortalecer por dentro. No meu caso, descobri que na vida devemos sempre agir de forma coerente com o que acreditamos, nunca devemos trair nossos valores e nossas crenças pra tentar se adequar aos outros. Sabemos sempre o que eh certo e o q eh errado para nós mesmos, mas as vezes o mundo nos confunde. E em um relacionamento, se temos que sacrificar o q acreditamos ser o certo p ficar, pode ter certeza q sempre haverá sofrimento, pois sempre estaremos lutando contra o que eh mais sagrado dentro de nós. Enfim, sem respeito e amor próprio, n há como amar ao próximo,e td mundo fica infeliz. Abração!!!

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s